quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Projeto do Governo do Estado beneficia comunidades indígenas no Sul da Bahia



Um convênio assinado entre o Governo do Estado e a Associação Indígena Hã Hã Hãe Aldeia Bahetá vai garantir melhores condições de segurança alimentar e nutricional, preservação ambiental, maior oferta de produtos e elevação da renda para 22 famílias indígenas em Itaju do Colônia, no Sul da Bahia.

Os recursos, no valor de R$ 302 mil, são do Bahia Produtiva, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), e cofinanciado pelo Banco Mundial. O projeto de Inclusão Socioprodutiva Agroecológica, já em execução, prevê a construção de galpão para armazenamento de sementes, cisterna para água de chuva, viveiro para produção de mudas, implantação das áreas produtivas e aquisição de insumos, máquinas e equipamentos, além de mutirões de capacitação.

Wagner Txawã, presidente da Associação, destaca que “esse é um projeto amplo, porque a modernização do processo produtivo não apenas garante a nossa subsistência, bem como a conservação ambiental e a geração de emprego renda, com comercialização da produção em cidades do Sul da Bahia”. Para a indígena e agricultora familiar Paula Cristina Rocha Olímpio, “com o apoio do Bahia Produtiva, vamos ampliar a participação em feiras do produtor e no Programa de Aquisição de Alimentos, melhorando as condições de vida da comunidade. A agricultura é o pão que a terra nos concede e a terra para nós tem um significado especial, que não é de posse, mas de integração”.

Com cerca de 40 hectares, a Aldeia Bahetá (que homenageia o líder indígena do mesmo nome, um dos símbolos da luta pela demarcação do território pataxó hã hã hãe) mantém criação de gado leiteiro e de corte e produz hortaliças para consumo dos próprios indígenas e para comercialização.

 VALORIZAÇÃO DE COMUNIDADES TRADICIONAIS

O chefe do escritório da CAR no Território Litoral Sul, Gil Nunesmaia Junior, afirma que “esses investimentos têm foco no combate à pobreza na área rural, com melhorias na estrutura de instalações, capacitação técnica, construção de novos equipamentos para qualificar e ampliar a produção, fortalecendo a agricultura familiar, com respostas positivas por parte das comunidades beneficiadas”. “Estamos trabalhando também na emissão de Declarações de Aptidão ao Pronaf, que garante o acesso ao crédito; são ações articuladas, que permitem a inserção em políticas públicas do Governo do Estado, que valorizam as comunidades tradicionais”, diz Marcos Vinicios Souza, coordenador regional da Bahiater.

No Litoral Sul, estão sendo aplicados pelo Bahia Produtiva recursos de R$3,8 milhões para comunidades indígenas dos municípios de Camacan, Ilhéus, Itaju do Colônia, Pau Brasil e Una, beneficiando 219 famílias. Já em comunidades quilombolas, o investimento é de R$1,7 milhão, em organizações produtivas dos municípios de Maraú e Itacaré, beneficiando 141 famílias.


sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Condutores podem dirigir com CNH vencida sem risco de punições

                                       

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-BA) esclarece que o condutor com carteira de habilitação (CNH) vencida desde 19 de fevereiro pode continuar dirigindo, por tempo indeterminado, sem o risco de multa e remoção do veículo. A flexibilização na regra da validade da carteira cumpre a deliberação 185/2020, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que estabeleceu medidas para minimizar os impactos da pandemia da Covid-19.

Mesmo com a autorização para o motorista usar a CNH vencida, a renovação do documento tem sido o serviço mais procurado no Detran-BA, por meio de agendamento no SAC Digital, representando cerca de 40% das solicitações. “Não era prevista essa demanda para a renovação da habilitação, justamente porque ela deixou de ser obrigatória. Entendemos que muitos motoristas possam ficar com receio de rodar com a CNH fora da validade, mas não existe motivo para se preocupar. A resolução do Contran é a garantia que eles não precisam trocar a carteira, a não ser nos casos de quem pretende incluir atividade remunerada ou está com CNH que venceu antes de 19 de fevereiro”, ressaltou o diretor-geral do Detran-BA, Rodrigo Pimentel.

 Fonte: Ascom/Detran-BA 

ILHÉUS: PT troca candidata a vereadora e normaliza proporcional

Professor Ednei Mendonça, presidente do PT/Ilhéus


Divulgamos na semana passada, que a candidata a vereadora Gracismara Rodrigues dos Santos acusou o PT de Ilhéus de lhe incluir na lista de candidatos sem o seu consentimento, e poderia comprometer a eleição proporcional do partido junto a justiça eleitoral.

Na quinta-feira (15), o juiz eleitoral da 26ª zona, Helvércio Argôlo, aceitou a renúncia da candidata, e deu o prazo legal para que o Partido dos Trabalhadores substitua a ex-candidata.

Em contato com o Blog Agravo, o presidente do PT de Ilhéus, Ednei Mendonça, reforçou a informação afirmando que a executiva comprovou que a candidata deu aval, e participou dos eventos do partido.

Ainda segundo Ednei, a defesa do partido juntou ao processo atas de reuniões assinadas pela candidata, além de conversas de WhatsApp, para rebater a afirmativa que a candidatura seria sem o consentimento da filiada.

Segundo Ednei, a substituição já foi feita nesta sexta-feira (16) e o partido segue normalmente a eleição proporcional.


Por: Blog Agravo

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

Em Salvador, secretário-executivo do MInfra visita Codeba, Porto de Aratu e aeroporto



O secretário-executivo do Ministério da Infraestrura, Marcelo Sampaio, visitou nessa quinta-feira (8) a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) para acompanhar o andamento dos trabalhos em seus terminais portuários como o Porto de Salvador, que vem apresentando bons resultados econômicos em movimentação de cargas. Em 2019, a companhia faturou R$ 158,6 milhões, um aumento de 13,36% do faturamento em relação ao ano de 2018. Somente o Porto de Salvador contribuiu com a movimentação de 3,3 milhões de toneladas até outubro deste ano. Com nove armazéns de carga, ele possui um moderno terminal de contêineres, seis portêineres, oito empilhadeiras, três empilhadeiras para contêineres vazios e oito RTG sobre rodas. As principais mercadorias movimentadas são os granéis sólidos (trigo), granéis líquidos (asfalto) e cargas gerais como granito e celulose.


Os principais investimentos feitos pelo Porto foram a Via Expressa, que interliga o terminal à BR-324/BA, a dragagem do seu canal de acesso, a construção e modernização do novo terminal marítimo de passageiros, a compra de novos equipamentos para o Terminal de Contêineres e modernização da estrutura de recepção de trigo.


Marcelo também conheceu os projetos do Tecon Salvador, terminal da Codeba que atende as principais linhas marítimas que conectam o Brasil a importantes mercados internacionais. Entre os anos de 2017 e 2020 o terminal já investiu mais de R$ 443 milhões em sua estrutura que atualmente está sendo expandida assim como sua capacidade de atendimento.


Nesta sexta-feira (9), Marcelo Sampaio ainda irá vistoriar o Porto de Aratu-Candeias, que faz parte do Programa de Concessões do MInfra e prevê investimentos de R$ 413 milhões, além do Aeroporto Internacional de Salvador, que passou por obras de ampliação e renovação e investimentos na área de sustentabilidade, sendo o primeiro aeroporto do Brasil a possuir uma usina solar com capacidade para suprir mais de 30% do consumo atual do terminal de passageiros.


Via: Bahia notícias

Allan Marinho, presidente do PSDB-Ilhéus sofre acidente doméstico

 


Allan Marinho sofreu um acidente doméstico, onde houve a fratura do osso do pulso esquerdo, ele recebeu os primeiros socorros na emergência do hospital costa do cacau, depois passou por raio-X. Ele terá que passar por uma cirurgia, depois por um procedimento de fisioterapia.

 

terça-feira, 6 de outubro de 2020

Agricultura familiar do sul da Bahia amplia mercado para chocolate premium






O segmento comercial de chocolates especiais vem crescendo na Bahia desde o início de segundo semestre, mesmo com os impactos negativos da pandemia da covid-19 que afetam a economia mundial. A Bahia Cacau, fábrica de chocolate da agricultura familiar, localizada no Sul da Bahia, que conta com recursos do Projeto Bahia Produtiva, da Secretaria de Desenvolvimento Rural do Governo do Estado (SDR), expandiu sua carteira de clientes de forma significativa.

 

O sentimento de superação da pior fase da doença, amparado em dados de redução dos casos de coronavírus no Brasil, ajuda a alavancar a retomada da atividade econômica e especificamente das vendas e consumo de chocolate especial de origem. “Temos recebidos encomendas de empresas da região da Chapada Diamantina, Recôncavo, Vale do Jiquririçá, Região Metropolitana de Salvador, Sudoestes da Bahia, além dos Estados de São Paulo, Brasília, Brasília, Minas Gerais e Rio de Janeiro”, explica Osaná Crisóstomo, diretor-presidente da Cooperativa da Agricultura Familiar e Economia Solidária da Bacia do Rio Salgado e Adjacências (Coopfesba), responsável pela gestão da Bahia Cacau. Segundo ele, o crescimento nesse período foi de 20%.

 

Além de chocolates premium (com variações entre 35% e 70% de teor de cacau, variedades como o chocolate com pimenta, nibs e geléias, a Bahia Cacau lançou o Mel de Cacau, produto de altíssima qualidade e com grande potencial de mercado.

Crisóstomo diz ainda que os empreendimentos que mais compram os produtos Bahia Cacau para revenda do chocolate são “supermercados, padarias, lojas de conveniências e de produtos naturais, restaurantes e delivery de alimentos”. O dirigente completa: “os consumidores têm demandado por um produto de mais qualidade, saudável e que tenha na sua matriz a preservação dos recursos naturais”.

 

Chocolates Natucoa

Outra marca da agricultura familiar no Sul da Bahia que vem consolidando e ampliando mercados é a Natucoa. Além de chocolates de origem e nibs, a Cooperativa de Serviços Sustentáveis da Bahia (Coopessba), em Ilhéus, que tem a marca Natucoa, apresentou novidades como barras de chocolate com licuri (espécie de coquinho nativo) e pasta de cacau com licuri. Além de produtos diferenciados, a cooperativa tem investido na modernização das embalagens e em marketing, principalmente nas redes sociais.

 

De acordo com a diretora da Coopessba, Carine Assunção, com esses investimentos, as vendas cresceram cerca de 30%, mesmo em período de pandemia. O empreendimento vem trabalhando a melhoria da qualidade da amêndoa do cacau, o aumento da produção, e qualificando o processo de comercialização. Estão sendo investidos R$ 2,5 milhões, que incluem ações como a ampliação da capacidade produtiva e o desenvolvimento de nova marca e embalagens, focando nos mercados varejista e atacadista. Carine destaca ainda que “a pandemia deu um impulso maior na busca de novos mercados, incluindo pontos de venda em outros mercados e às vendas online. Nesse processo, ela explica, foi fundamental dar maior visibilidade à marca Natucoa. A cooperativa chegou a contratar uma empresa de marketing para profissionalizar o setor e lançou uma revista digital destinada aos revendedores.

 

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Rural da Bahia, Josias Gomes, O Governo do Estado tem investido na agregação de valor dos produtos da agricultura familiar. “São diversas cooperativas que estão aumentando a renda dos agricultores cooperados”. As Coopfesba que detém a marca Bahia Cacau e Natucoa são importantes incentivadoras de acesso ao crédito rural através dos projetos que seus técnicos elaboram, além de incentivar a exploração extrativista ecologicamente sustentável na agricultura familiar”, destaca o secretário.

 

Sobre o Bahia Produtiva

Para apoiar o sistema produtivo do cacau, o Governo Estado está investindo R$ 30 milhões somente pelo projeto Bahia Produtiva. Os recursos são aplicados em assistência técnica e extensão rural para o melhoramento no manejo da planta e com a aquisição de equipamentos que possibilitarão desde a preparação adequada da amêndoa, até o beneficiamento na fábrica. Estão incluídas também iniciativas voltadas para o acesso ao mercado. O Bahia Produtiva é executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), vinculada à SDR, com cofinanciamento do Banco Mundial.

 

Por: Daniel Thame

domingo, 4 de outubro de 2020

ILHÉUS: Diretoria da AMA Savóia, vem a público se manifestar acerca da obra da praça das árvores

 

Em resposta aos diversos questionamentos dirigidos aos membros da nossa diretoria a AMA Savóia vem a público se manifestar acerca da obra da praça das árvores. Informamos que não recebemos nenhum comunicado oficial da Prefeitura Municipal de Ilhéus como também dos envolvidos na execução do projeto.

 

Registre-se que o projeto não foi apresentado à comunidade. Portanto, não podemos opinar e nem informar aos moradores o propósito de tal intervenção. Vale salientar que a requalificação da praça das árvores foi uma iniciativa da AMA Savóia. Tal ação seu deu em 2017 quando a associação de moradores buscou parceria público-privada. Informamos a todos que a primeira etapa foi exclusivamente realizada pela empresa Coelba. 

 

A parte que caberia a PMI a saber:

- Drenagem

- Paisagismo

 

Nunca foi realizada

 

O projeto aprovado pela PMI em 2003 não contempla mais do que está proposto no local. Se este projeto foi ampliado ou se o projeto em execução seguiu os trâmites legais é uma incógnita.  Ressaltamos que nosso bairro sofreu forte impacto ambiental com a derrubada das árvores pela Coelba a época da implantação da LD 138 K, instalação de 12 postes de alta tensão no bairro para distribuição de energia e interligação das subestações de energia elétrica do Iguape e Conquista. 

 

Lutamos e realizamos o plantio de mudas de árvores nativas em 2017, 2018 e 2019 até porque fomos obrigados pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. E com tristeza presenciamos o descaso com algumas mudas já em crescimento. Há tempos a característica principal do bairro Jardim Savoia que era a imensa quantidade de árvores e plantas ornamentais tem sido destruída.

 

Cenas como essas trazidas pelas fotos veiculadas no grupo de moradores demonstram o desprezo ao Meio Ambiente da gestão municipal.

 

Que tenhamos mais sensibilidade ambiental e diálogo